:: Notícias ::


16.02.2018

Temer assina decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro

Temer assina decreto de intervenção militar no RioO presidente Michel Temer assinou nesta sexta-feira (16), no Palácio do Planalto, o decreto de intervenção federal na segurança pública no estado do Rio de Janeiro.

O decreto chegou à Câmara dos Deputados na tarde desta sexta e foi protocolado por um funcionário da Casa Civil na Primeira Secretaria da Câmara.

A medida prevê que o general do Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, será o interventor no estado. Ele assume até o dia 31 de dezembro de 2018 a responsabilidade do comando da Secretaria de Segurança, Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e do sistema carcerário no estado do Rio.

A intervenção já está em vigor, mas o decreto precisa ser aprovado pelo Congresso Nacional para continuar valendo.

Em discurso na solenidade, Temer comparou o crime organizado que atua no Rio de Janeiro a uma metástase e que, por isso, o governo federal tomou a decisão de intervir no estado.

"O crime organizado quase tomou conta do estado do Rio de Janeiro. É uma metástase que se espalha pelo país e ameaça a tranquilidade do nosso povo. Por isso acabamos de decretar neste momento a intervenção federal da área da segurança pública do Rio de Janeiro", completou Temer.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai nomear um relator que vai proferir o parecer em plenário pela aprovação ou rejeição da proposta. Maia ainda não adiantou quem será o relator.

O presidente da Câmara, assim como o governador do Rio, também estiveram na solenidade de assinatura do decreto.

O General Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, responsável pela intervenção, afirmou que ainda precisa estudar a situação do estado e não deu detalhes sobre quais mudanças serão implementadas nas ações de segurança pública.

“Vamos entrar numa fase de planejamento. No momento, eu não tenho nada que possa adiantar para os senhores. Vamos fazer um estudo e a nossa intenção é fortalecer o sistema de segurança no Rio de Janeiro”, disse.

Também sem dar detalhes, o ministro da defesa afirmou que o sistema de segurança do Rio já é integrado, o que vai facilitar as operações. Ele ressaltou que Braga Netto precisará de tempo para planejar as ações no estado.

 “Tendo recebido há pouco essa missão, o general necessitará do tempo que for necessário para fazer um diagnóstico e tomar suas medidas”, disse.

Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, a intervenção não mudará as atribuições que cabem a cada instituição, como a Polícia Militar e a Polícia Civil.

"O ato da intervenção não implica em nenhuma restrição de direitos e garantias. A ordem jurídica permanece a mesma. As Forças Armadas não detêm poder de polícia e não passarão a deter esse poder", afirmou.

Fonte: G1

Todas as Notícias

:: Mais Notícias ::

Uma nova propaganda com Neymar, não caiu bem para o jogador

Uma nova propaganda com Neym...

 Menos de 24 horas depois do lançamento da nova campanha, Neymar, Gillette e a agência responsável avaliam os efeitos produzidos pelo comercial, que serviu como pronunciamento...

Continue lendo

Fifa proíbe emissoras de TV de filmarem 'torcedoras bonitas'

Fifa proíbe emissoras de TV...

Em meio aos casos de assédio na Rússia, a Fifa exigiu nesta quinta-feira (12) que as emissoras de televisão reduzam as filmagens de torcedoras "atraentes" durante os último...

Continue lendo

Membros da equipe de filmagens da Netflix não poderão se olhar

Membros da equipe de filmage...

O serviço de streaming diz estar "orgulhoso do treinamento anti-assédio que oferecemos às nossas produções. A Netflix introduziu um novo treinamento anti-ass&e...

Continue lendo

© 2005 - 2018. Itafest. Todos os direitos reservados.
Login Administrativo Perguntas Frequentes